CO2 para rejuvenescimento vaginal

Os órgãos genitais femininos não estão imunes aos efeitos do tempo, especialmente durante a menopausa.

A atrofia vaginal é um problema bastante comum entre as mulheres que estão na menopausa. Ela ocorre devido à diminuição da produção de estrogênio, hormônio feminino produzido pelos ovários. Quando as taxas de estrogênio estão baixas, os tecidos vaginais perdem a lubrificação e tornam-se atrofiados, finos, secos e retraídos. Cerca de 50% de todas as mulheres após a menopausa referem sintomas típicos de atrofia genital que interferem fortemente na sua qualidade de vida.

Esta atrofia se desenvolve lentamente, podendo demorar de 5 a 10 anos, após o início da menopausa, para notar os sintomas. Entre os mais comuns, estão: secura vaginal, coceira e sensação de queimação, infeções vulvovaginais de repetição, dor na relação sexual, e pequeno sangramento após o sexo.

Vale lembrar que não é apenas a menopausa que pode trazer essa condição. Ela pode ser também provocada por qualquer tratamento hormonal, quimioterapia ou radioterapia.

Para realizar o tratamento, utiliza-se o laser CO2 fracionado com ponteira específica para esta área. Esta é uma tecnologia que emite feixes de luz com precisão de profundidade, que são absorvidos pelas moléculas de água da pele/mucosa e agem estimulando a produção de colágeno de forma natural, recuperando a elasticidade, a espessura e a umidade da vagina. É usado para rejuvenescimento e atrofia vaginal, incontinência urinária leve e ajuda no clareamento da região vulvar.

O laser é uma opção para as mulheres que procuram um procedimento menos invasivo quando comparado a tratamentos tradicionais cirúrgicos e/ou hormonais. Também pode ser usado como complemento aos tratamentos já utilizados. É uma ótima opção para quem tem contraindicação ao uso de cremes hormonais devido ao histórico de câncer de mama.

O tratamento é indolor, leva em torno de 20 minutos e não requer anestesia. Veja Vídeo:

Após o tratamento, as mulheres podem continuar com suas atividades normais do dia depois de deixar o consultório. A atividade sexual deve ser suspensa por 7 dias.

Normalmente são realizadas 3 sessões, com intervalo de um mês entre elas. Muitas mulheres relatam melhora dos sintomas dentro de alguns dias do primeiro tratamento.

Geralmente, todas as mulheres em fase de menopausa podem fazer o tratamento. Porém, a consulta com o médico especialista antes de tomar a decisão é essencial, pois ele pode indicar o melhor tratamento para cada caso.

Consulte seu ginecologista.